A Febre do Poker

quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Após várias pessoas terem falado da reportagem que deu na Sic, decidi procurar no google e ver a mesma, fica aqui para quem ainda não viu:


Ontem estive a falar com a minha avó ao telefone, que é uma Senhora na casa dos 80 e ela esteve-me a dizer que tinha falado com outras pessoas sobre a reportagem e o que ela lhes disse foi que eu não tenho problemas de jogo e que faço um horário igual de trabalho diariamente, acrescentando ainda "se ele não ganhasse mais no poker, já tinha arranjado um trabalho normal". Para os leitores mais novos isto pode parecer um pouco irrelevante, mas eu não esperava tanta compreensão em relação ao que eu faço da parte da minha Avó. É uma geração que regra geral simplesmente associa "o jogo" a uma conotação negativa, derivada de más experiências próprias ou de familiares ou amigos no passado.

Nos últimos meses a minha vida mudou um pouco e passei a ter mais responsabilidades, já que basicamente sou a cara do Magic: The Gathering em Portugal e uma das caras da PokerStars. Como tal, tenho tido algum cuidado com a forma como abordo certos temas e alguns acabo até por evitar. Depois de ver aquela reportagem, perguntei-me a mim mesmo "será que tinha sido bom eu ter aparecido nela?". No final de Dezembro tinham-me perguntado se estaria disponível para a mesma e eu disse até que dia estava em Portugal e que estaria disponível até essa data, mas não fui posteriormente contactado.
Desde que tenho jogado Poker profissionalmente, que tenho sido bastante organizado a nível de horário de trabalho, estudo e felizmente consegui ter uma fonte de rendimentos sólida e estável. Também convém mencionar, que não desisti de nenhum curso, eu terminei a minha licenciatura e só depois comecei a jogar fulltime e acreditem que aquelas últimas cadeira do curso são um pesadelo, especialmente quando achamos que não vamos usar o curso para nada, mas é sempre melhor ter uma garantia e é muito melhor aceite pela sociedade, já que cria uma ancora. Atenção que eu não estou a julgar ninguém e entendo perfeitamente quem tomou decisões diferentes da minha, a imagem que apareceu na Sic é que foi de jovens com intelectos a cima da média, que andam a desperdiçar o seu potencial a jogar jogos de cartas a dinheiro nas Bahamas e na Internet. Alguns ganham, outros perdem, mas "estão todos perdidos"... Uma pergunta importante nesta altura é... "A quem interessa passar esta imagem?". A certa altura surge esta frase na reportagem "encomendado pela Santa Casa da Misericórdia", que é a entidade que a par com os casinos tem o monopólio do jogo legal em Portugal.

#1: Acho que jovens com menos de 18 anos não devem poder jogar a dinheiro online, claro que todos os leitores com menos de 18 anos vão discordar, mas há coisas mais importantes que o poker nessa idade e não existe maturidade para gerir certas situações. Eu comecei a jogar poker com 19 anos e agora tenho 23 anos.

#2: As pessoas que não têm dinheiro para arriscar no Poker não devem jogar, ou devem só jogar freerolls. Assim como acho que quem não tem dinheiro para comprar um carro ou uma casa, não se deve endividar com empréstimos, caso não tenha a certeza que os consiga pagar. Eu moro num apartamento alugado, onde pago renda mensalmente e não tenho carro. No entanto, não devo dinheiro a ninguém e isso para mim é o mais importante.

#3: Quem está a pensar em largar um emprego para jogar Poker a tempo inteiro, na minha opinião já deve conseguir ganhar mais dinheiro a jogar Poker em part-time, do que no emprego durante um ano antes de tomar essa decisão.

Estes 3 pontos são importantes. De resto, o Poker pode ser um jogo saudável que proporciona um convívio saudável, tal como uma possível fonte de rendimentos estável. O que recomendo é que as pessoas sejam muito honestas consigo próprias em relação ao que pretendem do Poker e que mantenham-se nessa linha de pensamentos.

Também pode gostar de

8 comentários

  1. Boa andré concordo plenamente com os 3 pontos, visto que quem queira deixar o emprego deve pensar em como ganhar dinheiro para sustentar uma familia...no poker tanto se ganha como se perde..
    Cumps

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente. Uma visão realista e ponderada.

    (já agora, não leves a mal o meu reparo, mas escrevendo bem como tu escreves poderias tentar evitar os "tive", "tiveram" quando na realidade queres dizes "estive", "estiveram".)

    um abraço

    ResponderEliminar
  3. Eu, muitas vezes, penso que as grandes mentes se perdem nestes jogos e poderiam produzir algo para a sociedade, mas isto faz sentido para o poker como para o xadrez ou outro jogo qualquer, na realidade estão a "desperdiçar" cerebro, enquanto poderiam estar a ajudar para este mundo ficar um pouco melhor.
    São só uns pensamentos que vou tendo.

    ResponderEliminar
  4. Grande artigo, eu que ainda sou um 'putinho' nem com 19 ainda concordei com tudo. Mais, quem me dera ter algum membro da família que visse o poker em mim como a tua avó vê o poker em ti :)



    Xplicit

    ResponderEliminar
  5. Boas, acertas te na mouche, eu assim que vi a reportagem liguei logo para a sic lol
    Fez me lembrar da que passou em tempos relacionada com o magic e me deixou sem apetite.

    ResponderEliminar
  6. Esta reportagem faz-me lembrar a reportagem sobre o magic, onde, como sabes, eu e o Gonçalo participamos.

    Infelizmente, estas reportagens dão mesmo toda a ideia de serem "encomendadas" de forma a passar uma imagem negativista e de "desgraça" das coisas. Obviamente que há gente que desgraça a vida no poker, assim como também os há (em muito maior número) no álcool, nas drogas, nas mulheres/homens, nas apostas, noutros tipos de gambling, etc etc.

    Os comportamentos aditivos fazem parte da realidade humana e não são exclusivos do jogo.

    Agora, aquilo que eu acho errado, é ver como a forma como estas coisas são feitas dão uma visão completamente biased e ignorante. Até quando dizem no final que aos 19 anos ele ganhou mais de € 1kk, dizem logo a seguir " para isso passou milhares de horas online ", como se de algum ponto de vista supremo isso fosse necessariamente mau e não simplesmente uma escolha, como se fosse pior do que passar milhares de horas em discotecas e a ressacar das noitadas.


    @ Andre aka Xplicit:

    Por vezes obter reconhecimento dos pais e dos pares leva tempo e, fundamentalmente, sucesso. Não faço ideia do que jogas, como jogas e quanto dinheiro fazes ou deixas de fazer, mas conheço vários casos em que só houve apoio familiar depois de fazer precisamente aquilo que o André diz: chegares ao fim dum ano, apresentares contas e teres a bela da conversa: " eu sei que vocês não gostam, mas isto é o X que eu fiz neste período Y no poker, que, como vocês podem ver, é bastante superior ao que faria a fazer seja lá o que for que vocês querem que eu faça ". Além disso, é necessário ter sempre um plano B, porque o A nem sempre resulta.


    Já me perguntaram por diversas vezes porque razão eu não jogo poker, inclusive o próprio André, já tivemos várias conversas sobre esse assunto. Sinceramente, tenho grande dificuldade em fazer algo que eu não aprecie, e não acho grande piada ao poker online. Gosto do poker live, gosto da forma como se interage, do que daí pode resultar. No entanto, a principal razão, é que não ache que o poker seja melhor do que o plano de vida alternativo que tenho montado.

    O que eu desprezo, até certo ponto, nesta reportagem é a noção, errada claro, de que o poker como plano de vida está errado e leva à ruína e a generalização que daí advem. Como nem toda a gente pode ser médico/advogado/carpinteiro/whatever, também nem toda a gente pode ganhar dinheiro a jogar poker ou outra coisa. Entendo que o problema disto tudo está simplesmente na generalização abusiva que a comunicação social portuguesa tende a fazer de 90% dos assuntos.

    Pedro Cavaleiro

    ResponderEliminar
  7. Pedro Cavaleiro:

    Ya, já vivi essa experiência, e de facto, o melhor método é apresentar o X e o Y. E a do plano B é também fundamental. Por isso é que estou a tirar o curso :)


    Xplicit

    ResponderEliminar